SANTUÁRIO DE NOSSA SENHORA DO MONTE DA CAÁLA

O Santuário de Nossa Senhora do Monte da Caála, situado no Monte Mbandjela, começou-se a construir em 1927; na altura acompanhava a referida área o Pe. Domingos Vieira Baião, Missionário da Congregação dos Padres do Espírito Santo, que na época residia na Missão Católica do Cuando.

Esta obra é concretização de uma Promessa feita a Deus por um Leigo Católico, que tinha problemas de saúde. Os primeiros casamentos dos indígenas da região eram efectuados nesta capela, enquanto os brancos e outra parte da sociedade com certa evolução, eram casados na Igreja da Povoação, na sede Municipal. A partir dos anos 50, com o Pe. Lima, residente no Município e primeiro Pároco da Paróquia de Nossa Senhora de Fátima da Caála, passou a assistir a Capela do Monte, bem como as localidades de Ngumbe, Ñgala e Mamã. Foi então que surgiram as Missões Católicas de Longonjo em 1954 e de Cassoco em 1969.

Entre os anos 1959/61 a Capela teve de ser restaurada, face a destruição parcial que tinha sofrido, pois nela se
tinha abrigado uma cobra gigante.

Antes de 1975, a capela era muito frequentada pelos peregrinos, principalmente na celebração das Festas da Vila da Caála. Após a Independência, surge o primeiro constrangimento: os soldados cubanos ocupam a pequena montanha, como posto avançado de observação e, consequentemente, torna-se um quartel. Ao longo dos tempos a Capela foi conhecendo muitos inquilinos, dos quais, uns eram militares; nos momentos de relativa paz passou a servir para piqueniques de uma certa elite, que sabia onde punha os pés, por causa das minas terrestres que aí tinham sido colocadas, aquando da ocupação dos militares. Deu-se igualmente então a devastação da floresta para carvão até à retomada do Huambo pelas forças governamentais, em 1994.

Com a chegada da Paz a situação mudou. A partir de 2004 começou a pensar-se no Santuário e dar-se os primeiros passos para a reabilitação da Capela e lugar de Culto do Monte Mbandjela.

O primeiro passo foi a desminagem de todo o espaço da montanha. Tinha muitas minas, pois era um ponto estratégico durante a guerra.

O acto de desagravo na Capela de Nossa do Monte foi feito no dia 13 de Agosto de 2005, em acto solene presidido por Dom José de Queirós Alves, Arcebispo do Huambo, com muita gente e muito fervor. A partir de então começaram os actos de culto no Monte da Caála e começou-se a pensar na reconstrução da Capela. Estava muito destruída e precisava de uma revisão profunda em todos os aspectos, a Capela e todo o ambiente circundante.

No sopé do monte estavam os estaleiros da Empresa brasileira Odebrecht. Os membros desta Empresa interessaram-se pelo lugar e pela Capela e entraram em colaboração com a Arquidiocese em vista à elaboração do projecto de reconstrução da Capela e ordenamento do espaço do monte. Assim se começou a pensar na constituição do Santuário de Nossa Senhora do Monte da Caála. O antigo Governador da Província do Huambo, Eng. Paulo Kassoma, deu todo o seu apoio e assumiu a obra assim como o Sr. António Mosquito, empresário natural da área da Caála.

No dia 14 de Setembro de 2008 teve lugar a inauguração do Santuário de Nossa Senhora do Monte da Caála, com a protecção de Nossa Senhora da Assunção, titular do Santuário; a Missa foi presidida por Dom Ângelo Becciu, na altura Núncio Apostólico em Angola (o actual Substituto para os Assuntos Gerais da Secretaria de Estado), com a presença do Senhor Cardeal Alexandre do Nascimento, vários Bispos e muitos Sacerdotes e o Santo Povo de Deus em grande número.

Pelo Decreto no 001/2010, a Capela de Nossa Senhora do Monte da Caála foi elevada à categoria de Santuário, tendo sido dedicada a Nossa Senhora da Assunção, que se celebra a 15 de Agosto; tendo como primeiro Reitor o Pe. Paulino Augusto Kandjengo, do clero diocesano.

Agora é lugar de Peregrinação e de encontros de oração para a Arquidiocese e para muitos outros peregrinos vindos de outras partes de Angola.

Calendario

Galería de Fotos